World of Warcraft

Destaque da Comunidade: WoW Discovery

Destaque da Comunidade: WoW Discovery

Ao longo de todos estes anos o universo de Warcraft vem inspirando jogadores ao redor do mundo a criar conteúdo das mais diferentes formas. Esses jogadores vem mostrando seu amor pelo jogo através de artes e cosplays incríveis, blogs, vídeos, narrações de campeonatos e muito mais. Para continuar a série Destaque da Comunidade exclusivamente brasileira, trazemos a Bel, do WoW Discovery!

Lorie: Qual foi seu primeiro contato com os jogos da Blizzard?

Bel: Meu marido jogou Diablo II e Warcraft III e assim que o WoW estava ganhando tradução e suporte em português, começou a jogar diariamente com um amigo nosso. 
Sempre espiava ele jogando até que vi que tinha montarias e que podia voar. Aí ganhou meu coração.
Fiz uma sacerdotisa elfa sangrenta por recomendação do meu marido e desse amigo nosso e desde janeiro de 2012 não parei mais de jogar.

bel_comm_spot.jpg

Lorie: E com World of Warcraft? Qual foi seu primeiro personagem?

Bel: Minha primeira personagem foi a Belzinha, que hoje em dia se chama Havlis. A sacerdotisa que me acompanha desde o primeiro dia. 
Sempre gostei de classes que curam e que me passam confiança. 
Com a sacerdotisa, eu sentia isso. Pois eu podia ser a cura que o meu grupo precisava e ainda podia ajudar a dar dano nas lutas. 
Eu era a healer do meu marido nas arenas 2x2, e sempre nos saíamos bem. Aí foi passando o tempo e mesmo jogando com outras classes, tenho certeza que ter a sacerdotisa como personagem principal foi a melhor coisa que fiz. 

Lorie: Como nasceu o WoW Discovery?

Bel: Sempre fui muito curiosa e apaixonada pelos mistérios do jogo. A cada atualização que saía, eu corria para o fórum discutir as novidades e ficava lendo o WoWHead por horas e horas, como faço até hoje. 
Como sempre gostei de compartilhar conhecimento e escrever bastante, resolvi juntar tudo o que eu descobria de interessante no jogo e fora dele num só lugar.  

Lorie: No blog você cobre vários aspectos do jogo, mas e você? Qual é a parte favorita do universo de World of Warcraft?

Bel: Descobrir maneiras de ficar RYCA! Sério! Quem acompanha o blog há um tempo sabe que o meu maior passatempo é farmar gold. E o pequeno conhecimento que tenho nessa área, passo para o pessoal. 
Sou casual, faço LFR, missões, upo alts, me aventuro em raide normal e faço uns campos de batalha quando dá vontade. Já raidei sério no passado e essa é a graça de jogar World of Warcraft: Dá pra fazer de tudo um pouco.

Lorie: Como está sendo a experiência de jogo em Legion pra você?

Bel: Maravilhosa. Jogo todos os dias e não fiz nem metade do que queria fazer pois a vida real não me permite, mas não reclamo. Quanto mais coisa pra fazer melhor. 
Estou achando a história interessante, minha classe está divertida e as Ilhas Partidas é um lugar muito agradável de se estar.
Sempre tem algo aqui e ali que não agrada a gente, mas é só buscar focar nas coisas que nos agrada e diversificar sempre. 
Podia melhorar? Pode ser que sim. Vai de cada um. Mas estou me divertindo muito. Quando acabar vou sentir saudades. 

Lorie: Qual é a lembrança relacionada ao jogo que você guarda com mais carinho? E seu feito mais difícil ou demorado?

Bel: Enquanto eu estava nivelando minha sacerdotisa, entre os níveis 12 e 18, não me recordo o nível exato. 
Sei que foi em Tranquilien, nas Terras Fantasmas. Cheguei na região para entregar a missão e do nada apareceu um um jogador da Aliança e matou todos os NPCs. Chamei meu marido e um amigo nosso para matar o Ally, só que o Ally era nível 85 e os dois, meu marido e o amigo, eram 60 ainda. Bobinha que era, achava que os dois dariam conta do recado. Tadinhos. Viraram ossos. Hoje eu rio, mas naquela época foi triste. hahaha
E o mais difícil foi finalizar a luta do Garrosh no Normal (atual heroico). Além de ser a maior dificuldade de raide que já tinha enfrentado, eu gostava do personagem. Foi difícil e triste ao mesmo tempo.

Lorie: Ainda existe algo que você deixou pra trás que gostaria de fazer no jogo? ​

Bel: O Modo Desafio do Mists of Pandaria. Fiquei tão preocupada em querer matar o Garrosh, que acabei deixando passar. Mas fazer o quê, né? Assim como a vida é feita de fases, o jogo também. 

Lorie: Que conselho você daria aos jogadores que estão iniciando em World of Warcraft?

Bel: Faça o que te faz feliz. Se raidar mítico ou fazer LFR te faz feliz, vá em frente. Se fazer batalha de mascote ou PvP ranqueado te faz feliz, vá e faça. Se você gosta só de fazer world PvP ou
farmar gold como eu, se joga! Ou tudo um pouco, melhor ainda! Aproveite o que o vasto mundo de Warcraft tem para oferecer. 
Se precisar de ajuda ou tiver alguma dúvida, pode ter certeza que sempre tem alguém que pode te ajudar ou indicar um caminho. 
E se eu puder ajudar de alguma forma, pode me chamar.  

Lorie: "Pela Horda!" ou "Pela Aliança!"?

Bel: Apesar de não ter nada contra a Aliança, não posso negar minhas origens. Pela Horda!

Acompanhe o WoW Discovery nas redes sociais:


Muito obrigada Bel pela participação! 

Esperamos que estejam curtindo a série de "Destaque da comunidade" exclusivamente brasileira. Deixe sua sugestão de quem você gostaria de ver por aqui e não deixe de conferir os Destaques anteriores aqui.

Próximo artigo
Hearthstone
2d

Resenha do Off-Meta – 18 de outubro de 2018

Experimente decks off-meta do ranque Lenda que estão dando ótimos resultados!