Hearthstone

Murloc Holmes e o Assassinato no Castelo de Nathria

Murloc Holmes e o Assassinato no Castelo de Nathria

ASSASSINATO NO CASTELO DE NATHRIA

De Christie Golden e Brandon Easton

Assassinato no Castelo de Nathria é um conto macabro de morte e enganação e de um detetive extremamente sagaz. Um clássico imediato da literatura de murlocs, perfeito para reencenações dramáticas. Agora você pode acompanhar Murloc Holmes e Dr. Pinatson enquanto eles exploram vários lugares do Castelo de Nathria em busca de pistas e interrogam os 10 principais suspeitos principais neste roteiro de Assassinato no Castelo de Nathria! Chame alguns amigos e ponha sua boina de detetive, pois a história vai se desenrolar nos próximos dias. Será que você é bom o bastante para desvendar o Assassinato no Castelo de Nathria?

Sons de FOGUEIRA CREPITANDO, UIVOS DISTANTES e URROS de CRIATURAS PERIGOSAS DA FLORESTA. Nosso narrador macabro começa:

NARRADOR

Bem-vindos, amigos e inimigos. Prontos para tremer com outra história de dar calafrios? Então vocês estão com sorte... ou NÃO.

(risada maligna)

É melhor se segurar enquanto escutam a história do...

RAIOS e TROVÕES RELAMPEJAM!

NARRADOR

Assassinato... no Castelo de Nathria.

Crescendo de MÚSICA DRAMÁTICA DE ÓRGÃO.

NARRADOR

Ah, o Castelo de Nathria. Um lugar perigoso, onde olhos espreitam pela noite. Onde nem mesmo os mais poderosos podem reverter os rumos implacáveis da sombria roda do destino. E não é prudente aceitar convites entregues por gárgulas para festas neste lugar.

MÚSICA ASSUTADORA cresce.

INTERIOR: O GRANDE SALÃO OUVIMOS os sons de sussurros da festa, copos tilintando, música adequada.

NARRADOR

Depois que os convidados do jantar se reuniram no Grande Salão, Sir Denathrius, Mestre de Revendreth, ergueu um cálice dourado de ânima rubra e enevoada, talvez alheio ao fato de que convidara seus maiores inimigos!

TLIM, TLIM. O som de um garfo batendo em metal. A multidão faz silêncio.

DENATHRIUS

Bem-vindos ao meu humilde lar! Sei que todos estão ansiosos para se conhecer melhor em um grande banquete e em jogos inocentes e inofensivos. Eu mesmo, por exemplo, me pergunto... O que cada um de vocês esperava ao aceitar o meu convite? Riqueza? Conhecimento? O privilégio de ser visto ao meu lado? Ou talvez vocês tenham ouvido os vis rumores de que eu, Sir Denathrius, estou acumulando ânima inescrupulosamente! De fato, ela é magnífica, inebriante... assustadoramente deliciosa... e oferece poderes além da...

DENATHRIUS tosse, percebendo que está prestes a confirmar os rumores.

DENATHRIUS

Mas, como eu dizia, espero que esta seja uma noite que vocês nunca esqueçam. Tenho alguns retoques a fazer para as festividades. Por favor, explorem a casa até que sejam convocados para o jantar.

O BARULHO DOS CASCOS de Denathrius desaparece ao longe.

Uma porta bate.

NARRADOR

Apesar de os convidados ficarem confusos com a partida do anfitrião, eles acataram a sugestão do Sir e, por algum tempo, vagaram pelo castelo e seu terreno... sozinhos...

Quando, de repente...

A BATIDA de um cálice. Som de ânima flutuando pelo ar como um vento suave.

Um grito estridente de COMISSA.

COMISSA

Acudam, acudam! Sir Denathrius foi assassinado!

Música dramática!

INTERIOR: Sala de Jantar

NARRADOR

Era verdade: Denathrius, o Sir, jazia no chão da sala de jantar. O poderoso havia caído! Os dez convidados, e todos eles agora eram suspeitos, se reuniram.

Pés e cascos correndo, portas batendo, arquejos de espanto.

NARRADOR

Mas quem era o responsável pelo terrível ato?

O misterioso corretor, Artífice Xy’Mox?

XY’MOX

Ah, ele era ótimo para os negócios.

NARRADOR

O etéreo com o apropriado título de Arquivilão Rafaam?

RAFAAM

Meu bom e velho amigo Sir Donatrio, nããão!

NARRADOR

A baronesa orquisa, Draka?

DRAKA

(debocha sarcástica) É óbvio que você era próximo dele, Rafaam.

NARRADOR

Ou a dupla que veio de Maldraxxus...

A Dizimadora Olgra, outra orquisa, que veio em uma missão?

OLGRA

Ele não pode estar morto! Eu precisava... de algo dele.

NARRADOR

Talvez tenha sido a Baronesa Vashj, a naga,

que, assim como Draka, pertenceu à Casa dos Espiões.

LADY VASHJ

(sarcástica) Quem poderia querer ele morto?

NARRADOR

Ou teria sido o aliado do Sir, Kel’Thuzad, o ambicioso lich?

KEL’THUZAD

Estou arrasado e indignado! Como você pôde ser tão imprudente, Denathrius? Agora, NENHUM dos nossos planos poderá ser executado.

RAFAAM

(sussurrando com simpatia)

Acho que você disse a parte secreta em voz alta.

NARRADOR

Seria o assassino um dos dois visitantes de Ardena, o sylvar Ara’lon e Sesselie, a tirnenn?

ARA’LON

Mas que tragédia.

SESSELIE

(farfalhando o cabelo frondoso)

Não posso dizer que nossa rainha ficará... in-feliz...

NARRADOR

Certamente não poderia ter sido o gentil convidado kyriano, Pelagos, não é?

PELAGOS

Casos assim sempre são tristes, mas ele não era lá boa pessoa... era?

NARRADOR

Com certeza não foi seu fiel mordomo, Comissa. Ou será que foi?

COMISSA

(chorando baixinho)Oh, ohhh... Pobre Sir... Ohhh...

NARRADOR

Todos os convidados se encararam desconfiados:

alguém ali... era um assassino.

Pouco depois de as acusações começarem a ser disparadas, veio o clarão de um relâmpago!

CABRUM!

NARRADOR

E o estrondo de um trovão!

BUM!

NARRADOR

E as portas da frente se escancararam!

Sons das portas se abrindo com força.

NARRADOR

Havia uma figura no umbral. Pequena, mas poderosa.

Uma figura que despertava esperança nos inocentes e medo no coração dos culpados. Era ninguém menos que o grande detetive...

MURLOC HOLMES

MRMGGGGGRRRLLLLEEE!

NARRADOR

Murloc Holmes! Sim, era o próprio,

e seu amigo e companheiro, o Dr. Pinatson.

DR. PINATSON

<COAXO>

NARRADOR

Todos ficaram espantados!

Arquejos de espanto exagerados e quase simultâneos.

NARRADOR

Como o mestre detetive que é, Holmes assumiu o controle da sala rapidamente. Os suspeitos foram instruídos a não sair do local enquanto ele examinava o corpo.

Durante a narração, Holmes mrrglla como se dissesse o que está sendo atribuído a ele.

NARRADOR

Holmes achou curioso o fato de ele não encontrar nada que indicasse a causa mortis. Pediu para os criados do Sir levarem o corpo, então, com o giz, demarcou a silhueta no chão. Ele precisa descobrir quem fez aquilo antes de descobrir... comofez aquilo. Onde estavam os suspeitos na hora do assassinato?

ARA’LON

Eu estava nos canis.

SESSELIE

No labirinto.

LADY VASHJ

Nas Poças de Lodo.

DRAKA

No Cemitério Pedra de Pecado.

NARRADOR

O jogo estava lançado! Holmes decidiu começar a investigação pelo terreno do castelo. Primeira parada... os Canis.

EXTERIOR: OS CANIS. SONS terríveis de cães gargons (feras de pedras vivas) dos canis.

ARA’LON

O Guarda-Caça Altimor não estava aqui, então ele não pode testemunhar.

Mas os cães gargons podem.

Os sons terríveis de ameaça se transformam em sons igualmente terríveis de saudações amigáveis.

ARA’LON

(carinhoso) Olá de novo, amiguinhos. Posso fazer carinho no seu cachorro também, Draka?

Todas as três cabeças de PRESA DA MORTE rosnam.

DRAKA

Não. (para o Murloc) Para onde vamos agora, Sr. Holmes?

NARRADOR

Tantos suspeitos... tantos lugares. Que pistas o grande detetive encontrará em seus esforços para resolver o assassinato? Talvez Draka quisesse distraí-lo de algo importante. Estava na hora de investigar o álibi dela... e visitar o sinistro Cemitério Pedra de Pecado.

NARRADOR

O detetive Murloc Holmes estava interrogando os suspeitos e refazendo os passos deles. Suas barbatanas... ou pés... o levaram até o Cemitério Pedra de Pecado, lar de almas torturadas e feras litonatas. Um lugar que alguém que planejava matar Sir Denathrius podia muito bem querer visitar... alguém como a baronesa Draka.

EXTERIOR: CEMITÉRIO PEDRA DE PECADO. Passos. Vento nas árvores. Presa da Morte cava e respira alegre.

MURLOC HOLMES

Mrrgle... mrflagggrl.

DRAKA

Sim, Sr. Holmes, o Cemitério Pedra de Pecado é lodoso.

RAFAAM

Vejam! Uma pista! São pegadas de um cão gigantesco!

DRAKA

...são do Presa da Morte.

PRESA DA MORTE late.

MURLOC HOLMES

Mrg gligslrrgh graaa?

DRAKA

Estou certa de que algumas pessoas estavam presentes no jantar de Denathrius por motivos pouco honrados. Então, fiquei atenta para ver se alguém voltou ao castelo. Além disso, este é um ótimo lugar para o Presa da Morte cavar.

(para Presa da Morte com a voz aguda de “estou falando com o meu cachorrinho”)

Não é? Quem é o meu fofinho?

É o PRESA DA MORTE, e ele sabe, todas as cabeças estão fazendo sons felizes.

NARRADOR

Holmes anuiu, como se soubesse algo que mais ninguém sabia.

Eles foram para as Poças de Lodo... para confirmar o álibi de Vashj...

EXTERIOR: POÇAS DE LODO. Sons de bolhas de lama, árvores rangendo e sons baixos de criaturas nadando no pântano. Passos rápidos param. Som de VASHJ sibilando para falar.

NARRADOR

Ah, as Poças de Lodo, o berçário borbulhante de mordomos cultivados... ou mordomos dragadores, pelo menos. Como seria fácil soltar a arma de um crime neste lugar pútrido e deixá-la aqui para sempre sem ser descoberta... A Baronesa Vashj com certeza parecia ser afeiçoada a este lugar... mas por quê?

LADY VASHJ

Ali, aquele é o caminho que deslizei para entrar e sair dos poços. A lama é ÓTIMA para a pele. Mais alguém quer dar um mergulho rápido?

DR. PINATSON

<Coaxo! Coaxo!>

MURLOC HOLMES

(irritado com Dr. Pinatson) MURGLE! Gribblegrumb.

LADY VASHJ

Voltaremos depois, Dr. Pinatson, quando todos esses aborrecimentos forem resolvidos.

MURLOC HOLMES

Mrrgl glrr drrgle mur?

LADY VASHJ

Não é segredo que Draka e eu, e os outros, suspeitam que nosso anfitrião arquitetou a destruição da Casa dos Olhos.

É de Denathrius que estamos falando, afinal de contas.

MURLOC HOLMES

Hrm...

NARRADOR

O pequeno e estranho grupo prosseguiu para o Labirinto de Sebes.

EXTERIOR: LABIRINTO DE SEBES

NARRADOR

É fácil se perder andando em um labirinto de sebes, não é? E é muito difícil encontrar uma saída... principalmente quando as próprias plantas querem prender você... Talvez Sesselie quisesse atrair Denathrius para o coração sombrio da floresta... para sempre.

SESSELIE

Não é lindo?

PELAGOS

Sim... sim, é claro, é... adorável.

MURLOC HOLMES

Mrgll... grgll belach raaak?

SESSELIE

(suspiro) Sim. Eu vim em nome da Rainha Invernal.

Ela suspeita que Denathrius está por trás da seca de ânima. Achei que poderia perguntar às sebes se elas sabiam de alguma coisa e... bom, acabei me perdendo na conversa. As plantas podem confirmar que eu estava aqui.

Rangidos das sebes.

SESSELIE

Viu?

MURLOC HOLMES

Mrrrgl mrrgle... glorp.

SESSELIE

Ah. Eu queria que você conseguisse entendê-las, porque senão...

não tenho outra forma de convencê-lo!

MURLOC HOLMES

(pensativo) Hrrrmmmmm...

NARRADOR

Mas será que ele se convenceu?

Restava apenas um local para ser explorado fora do castelo: o único lugar em Revendreth em que um morador Bastião poderia se sentir confortável o suficiente para pensar... ou, talvez, tramar.

NARRADOR

Revendreth não é um dos lugares que vêm à mente quando se pensa em catedrais, não é? Mas, ainda assim, lá está... a Catedral da Expiação. Outrora um símbolo da missão sincera de Revendreth de ajudar a salvar almas, mas ultimamente... bom... nem tanto. Teria sido seu passado nobre, ou o presente inescrupuloso, que atraiu Pelagos até aqui?

INTERIOR: CATEDRAL DA EXPIAÇÃO. Música inspiradora e assustadora. Passos mais lentos e silenciosos.

PELAGOS

Sinto informar, Sr. Holmes, ninguém me acompanhou nem me viu aqui. Vim para meditar a respeito dos rumores de que o Sir Denathrius estava acumulando ânima. Só isso.

OLGRA

Será? Então, me diga... por que você teria escolhido a Catedral da EXPIAÇÃO se não tivesse nada o que expiar?

PELAGOS

(pausa irônica) Porque é a única catedral em Revendreth?

OLGRA

Ah. Esquece.

MURLOC HOLMES

Mrggle mrrgl... blep ghaagh... Mrgle brakk bleargh?

PELAGOS

Se Sir Denathrius fosse mesmo o responsável pela estiagem de ânima...

e ele me confrontasse... Então, sinceramente...

Eu não sei o que eu faria.

MURLOC HOLMES

Hrrrmmm...

NARRADOR

Com os terrenos explorados, era hora de voltar ao Castelo de Nathria... e investigar o que aconteceu dentro daquele local macabro.

INTERIOR: A COZINHA Sons de fogo crepitando e um caldeirão borbulhando.

NARRADOR

Mais especificamente... na cozinha. Cozinhas lembram alimentos e calor. Irmandade. Elas também têm muitas facas afiadas, líquidos ferventes e fogo, e... você já entendeu.

LADY VASHJ

Parece que todas as festas acabam na cozinha, não é?

ARA’LON

(cansado, para o Murloc) Não pode ao menos dizer se já eliminou algum de nós?

MURLOC HOLMES

Grrpp. Blearglgy ghaak mrugggle.

COMISSA

Ara’lon parece cansado. Gostaria de algo mais calmante?

Aqui, beba isto! (oferece um cálice dourado a Ara’lon)

MURLOC HOLMES

MGRLLRRRLG!!!! GLIBBLE BRRRAAAAK!

Uma batida... então o cálice CAI NO CHÃO.

Todos se espantam.

ARA’LON

Ai... minha mão!

MURLOC HOLMES

Mrrrrrgggllle!!!

COMISSA

Sim, de fato tenho tempero sagrado na minha cozinha! E sim, estou ciente de que faz mal aos venthyr, como o Sir. Mas eu personalizei os cálices por precaução!

ARA’LON

É verdade. Tem um medalhãozinho aqui que diz: “Ara’lon, este é para você... êê.”

KEL’THUZAD

(acusador) Mas, Comissa... Eu ouvi você dizer que tinha preparado alguma coisa especial para o Sir Denathrius!

COMISSA

Sim, sim! Aqui... cheire!

MURLOC HOLMES

(cheira) BLECK!!!!

COMISSA

Sim, alho! Com certeza o Sr. Holmes sabe que ele é inofensivo aos venthyr, como o Sir, que adora... adorava... alho... oh...

MURLOC HOLMES

Hrmmm... glarby mrrrrglee... bek ghaaa? Ghaa blurgl?

KEL’THUZAD

No Sacrário do Manto Noturno.

É uma sala particular, mas, se você insiste, Sr. Holmes...

INTERIOR: O SACRÁRIO DO MANTO NOTURNO. Música macabra.

NARRADOR

O Sacrário do Manto Noturno. Uma sala particular feita apenas para conversas... planos... tramas... e para acumular várias quinquilharias incríveis para diversões

KEL’THUZAD (cont.)

Posso não ser a pessoa mais agradável, mas sou leal. Depois do brinde, Denathrius me pediu para vir ao Sacrário para encontrar uma coisa de que precisaríamos para a... socialização após o jantar. Ele disse que era importante.

KEL’THUZAD claramente detesta o termo “socialização”.

MURLOC HOLMES

Blargly?

KEL’THUZAD

Um jogo de tabuleiro clássico.

Ouvimos o chacoalhar de peças dentro de uma caixa de papelão. Talvez uma música brega, como em um comercial de jogo de tabuleiro dos anos 1980.

MURLOC HOLMES

Mrglgll, glep blargghh mrgg.

RAFAAM

Eu? Bom, enquanto o meu queridíssimo amigo Sir Danabrius sofria esse atentado terrível, eu estava... dando uma volta. Sabe como é. Bem inocente.

MURLOC HOLMES

Bleck Blargh? Mrggls...

RAFAAM

Na...na biblioteca? (risada contida) Ah, não precisamos ir até lá.

INTERIOR: PORTAS DA BIBLIOTECA Passos nos levam até aqui.

NARRADOR

A biblioteca. Um lugar para livros... e segredos. E talvez uma soneca.

RAFAAM

(sussurrando) Ah, então essa é a porta da biblioteca!

MURLOC HOLMES

(também sussurrando)

Mrrgll gleeble Blurrskkk?

XY’MOX

Por que estamos sussurrando?

Todo mundo faz XIU!

BASTIÃO

(sussurrando) É uma biblioteca.

RAFAAM

(sussurra indignado)

Essa com certeza NÃO é uma das minhas... faixas... presa na porta...

(gritando)

NÃO, ESPERA AÍ, NÃO ABRA...

Sons das portas sendo abertas. TODOS se espantam. Daqui em diante, todos falam normalmente, não há visitantes para incomodar.

ARA’LON

(voz normal) Bem que eu senti cheiro de fumaça!

COMISSA

Eu vi Rafaam pegando fogo! Mas não havia tempo para pegar água.

Ainda bem que você está bem.

RAFAAM

Já estava queimada quando eu...

Som de FOOF. Fogovil crepitando. Diabretes cochichando. Rafaam suspira.

RAFAAM

Tudo bem, fui eu. Argh, eles. Eu confesso. Eu estava tentando roubar um tomo de feitiços raros.Fui eu.

LADY VASHJ

(rindo) Seu imbecil. Não era disso que estávamos te acusando. Você acabou de confessar que roubou e queimou a biblioteca por nada... Mas acabou provando o seu álibi quanto ao caso de Sir Denathrius.

RAFAAM

Eu... o quê? Digo... Sim! Vejam, minhas faixas ainda estão fumegando um pouco. Estão vendo?

Ouvimos os sons de chamas e Rafaam BATENDO EM SI MESMO para apagá-las.

NARRADOR

Estava na hora de descer até o coração perverso do Castelo Nathria: primeiro a Caixa-forte, depois... as Profundezas Sanguinárias.

NARRADOR

A investigação do assassinato levou Murloc Holmes a lugares sombrios... e talvez até perigosos. A Caixa-forte certamente não era para os fracos. Mas talvez ela oferecesse seus segredos ao maior detetive de todos.

INTERIOR: A CAIXA-FORTE.

XY’MOX

Foi aqui que o... incidente ocorreu.

MURLOC HOLMES

Blrafghl, blepp. Mrrgl, glarb bek murrrglle?

XY’MOX

Para proteger as Relíquias, é claro. Com uma galeria de ladrões convidados assim...

DRAKA

Olha a boca.

XY’MOX

alguém com certeza roubaria alguma coisa.

RAFAAM

Esse seria eu. Eu roubei alguma coisa. Porque eu certamente não estava matando meu amigo amicíssimo Denapaloozapolusim...us

DRAKA

Faz pelo menos um ESFORCINHO.

MURLOC HOLMES

Grlargla bahk rmurgggg?

XY’MOX

O quê, isso? É a Relíquia da Extinção. Alguém... deixou... cair? Ah, tudo bem, eu estava tentando roubar.

MURLOC HOLMES

Mrrrrgle glub blub pakk Mrrrgggl... Ksssshhhh Glack!

Música agourenta.

PELAGOS

Todos nós... devemos ir, Sr. Holmes? Ouvi dizer que o acontece é... doloroso de presenciar...

KEL’THUZAD

Acho que as almas enviadas dizem que é doloroso, ponto.

NARRADOR

As palavras de Kel’Thuzad foram um eufemismo. Na verdade, com exceção da própria Gorja, as Profundezas Sanguinárias são o lugar mais sombrio de todas as Terras Sombrias.

INTERIOR: AS PROFUNDEZAS SANGUINÁRIAS. Gritos e guinchos fracos. O turbilhão de ânima.

NARRADOR

Pois é aqui que as almas condenadas sofrem e pagam pelos pecados de suas vidas enquanto sua preciosa ânima... é extraída.

ARA’LON

Eu não gosto deste lugar...

OLGRA

Não foi feito para gostarem. Foi feito para tortura. E era por isso que eu estava aqui. Eu estava buscando... meu marido, Mankrik.

Ouvi rumores de que ele estava aqui e aceitei o convite para descobrir. Não tive muito tempo para procurá-lo. Agora... Talvez eu nunca saiba.

COMISSA

Sinto muito.

DR. PINATSON

<COAXO>

OLGRA

Obrigada.

RAFAAM

Nós JÁ podemos ir?

NARRADOR

Holmes disse ao grupo que ele sabia o que havia acontecido... e quem era o culpado. Eles voltaram para o lugar onde tudo começou... na sala de jantar.

INTERIOR: O GRANDE SALÃO. Música tensa. Holmes gorgoleja conversando calmamente durante a narração e então prossegue.

NARRADOR

Ali, ao lado da silhueta demarcada do Sir caído, o Grande Detetive contou o que havia concluído. A noite tinha sido chuvosa... mas, mesmo assim, não havia pegadas de lama além daquelas feitas quando todos voltaram.

ARA’LON

Ainda bem! Então, nós que estávamos do lado de fora... somos inocentes!

NARRADOR

Holmes respondeu que isso era possível, mas que existiam muitas passagens secretas no castelo. Eles ainda não haviam sido inocentados.

PRESA DA MORTE reclama tristonho.

NARRADOR

Olgra não teria assassinado o Sir Denathrius, Holmes explicou aos convidados.

Ela precisava dele para ter as respostas na busca por seu parceiro.

OLGRA

Obrigada por acreditar em mim, Sr. Holmes.

DRAKA

O amor entre você e Mankrik era lendário, Olgra.

Espero que você encontre seu parceiro um dia.

OLGRA

Espero que você também encontre, amiga.

RAFAAM

Agh, vamos logo com isso, então. Todos sabemos que eu sou completamente inocente do assassinato. Então sobram Kel’thuzad, Xy’mox e...

TODOS

Comissa?!

COMISSA

Queeeem, eu? Não, não, não o Comissa!

NARRADOR

Holmes anuncia que ele sabia, pelo menos, quem era o responsável pelo que aconteceu com Sir Denathrius. Foi...

MURLOC HOLMES

MRRGGGLLLL!

Música dramática! TODOS, exceto Rafaam, ficam espantados.

RAFAAM

Espera... quem foi? Eu vou confessar, não entendi uma palavra do que ele disse esta noite.

NARRADOR

Ah, meus amigos e inimigos... Vocês também não adorariam saber?

É claro que sim. Vocês precisam resolver esse assassinato sozinhos...

Se puderem...

A voz do narrador se transforma na voz de um monstro. Ele ri diabolicamente.

NARRADOR

MUAHAHAHAHAHA!

MÚSICA DE SAÍDA DRAMÁTICA.

Mana Crystals Page Footer Image

Próximo artigo

Destaques