StarCraft II

Reflexões sobre uma década: os melhores jogos competitivos de StarCraft II, parte I: Legacy of the Void

Reflexões sobre uma década: os melhores jogos competitivos de StarCraft II, parte I: Legacy of the Void

Parte 1: Wings of Liberty | Parte II: Heart of the Swarm | Parte III: Legacy of the Void

Já se passaram quase cinco anos desde o lançamento da expansão final de StarCraft II, que encerrou a história da campanha principal, mas não a dos nossos e-sports. Vamos terminar nossa jornada por dez anos de StarCraft II competitivo com as melhores partidas profissionais de Legacy of the Void.

2016

Scarlett x Stats

  • 1ª Rodada da HomeStory Cup XIV, 1ª partida (17 de novembro de 2016)

  • Jogada em Dasan Station

  • Comentada por Harstem, Snute e Tod

  • VOD

Começando em 2011, o Concurso de Mapas da TeamLiquid foi introduzido como uma forma de a comunidade contribuir com mapas para a seleção do ranqueado. Desde então, nenhum mapa do concurso que chegou ao ranqueado foi mais famoso (ou infame?) do que Dasan Station, criado pelo cartógrafo louco Enekh. Com a menor distância de investida jamais vista em um mapa do ranqueado, ele incentivava bastante as estratégias agressivas, e a média das partidas era muito diferente do que estávamos acostumados a ver no StarCraft profissional.

Uma dessas partidas foi disputada na décima quarta edição da HomeStory Cup, um cenário sossegado e perfeito para a saga que vamos descrever. A partida começou com uma investida de Zangões, o ataque mais imediato e agressivo disponível para um jogador de StarCraft II. Geralmente, esses tipos de estratégias “tudo ou nada” são decisivas: ou o atacante vence na hora, ou o defensor sobrevive com uma vantagem insuperável. Nesse caso, Kim “Stats” Dae-yeob conseguiu conter a investida de Sasha “Scarlett” Hostyn por uma margem tão pequena que os jogadores acabaram no mesmo patamar, com quatro Sondas contra apenas cinco Zangões! Partindo desse início improvável, o jogo se expandiu e virou uma das batalhas mais equilibradas entre zergs e protoss que já vimos.

Menção honrosa de 2016

Yun “TaeJa” Young-seo x Joo “Zest” Sung-wook

  • Oitavas da 2ª Temporada da GSL 2016, 3ª partida (10 de agosto de 2016)

  • Jogada em Nova Gettysburgo

  • Comentada por Valdes e Wolf

2017

INnoVation x Dark

  • Semifinal da 3ª Temporada da GSL 2017, 3ª partida (8 de setembro de 2017)

  • Jogada em Acólito

  • Comentada por Artosis e Tasteless

Em StarCraft, uma “troca de bases” ocorre quando os jogadores atacam a base um do outro em vez de se enfrentarem em uma batalha final. Essas partidas se tornam uma corrida de destruição de estruturas com diminuição acelerada de recursos... Em outras palavras, uma bagunça completamente imprevisível.

Em uma batalha de 2017 entre o lendário terrano Lee “INnoVation” Shin-hyung e o igualmente aclamado astro zerg Park “Dark” Ryung-whoo, INnoVation começou com uma estratégia proxy incomum de avanço total, atacando Dark com Tanques de Cerco e Libertadores produzidos perto da base dele. Quando Dark percebeu a inutilidade de se defender contra esse ataque, decidiu abandonar suas bases principal e natural através de um Verme Nydus, que transportou todas as suas unidades para a base inicial desprotegida de INnoVation. Vimos então uma troca literal de bases, com Dark tomando a base defunta de INnoVation enquanto este era forçado a mudar sua Central de Comando para a base de Dark. A partida continuou daí, com os dois jogadores forçados a entrar em situações cada vez mais complicadas. Criatividade e adaptabilidade acabariam determinando o vencedor.

Menção honrosa de 2017

Lee “INnoVation” Shin-hyung x Jeon “TY” Tae-yang

  • Grande Final da GSL Contra o Mundo 2017, 2ª partida (6 de agosto de 2017)

  • Jogada no Recife Abissal

  • Comentada por iNcontroL e Rotterdam

2018

Classic x Reynor

  • 1ª Rodada da 3ª Temporada da GSL 2018, 3ª partida (4 de julho de 2018)

  • Jogada em Achados e Perdidos

  • Comentada por Artosis e Tasteless

2018 foi, sem dúvida, o ano de Joona “Serral” Sotala, que se tornou o primeiro jogador não coreano a desafiar os melhores da cena de StarCraft II. Mas Serral não foi o único jogador incrível a surgir naquele ano. Outro zerg promissor, Riccard “Reynor” Romiti, ainda não tinha idade para disputar o circuito oficial da WCS. Em uma tentativa de melhorar e mostrar do que era capaz, ele viajou para a Coreia do Sul para treinar no ranqueado coreano e disputar a Global StarCraft II League (GSL).

Não é nenhum segredo que os melhores jogadores de StarCraft costumam vir da Coreia do Sul. Um fator que contribui são as casas de equipes profissionais no país, que possibilitam um nível de treino rigoroso e troca de ideias que outras regiões não conseguem igualar. E embora fosse comum ver não coreanos disputando a GLS nos primeiros três anos de StarCraft II, essa tendência minguou quando poucos desses competidores alcançaram algum sucesso.

As estatísticas não estavam a favor de Reynor. Quando ele caiu em um grupo com um dos melhores jogadores de protoss, Kim “Classic” Doh Woo, as coisas pareciam feias.

Na partida que selecionamos, entretanto, Reynor jogou à altura do desafio, e com sobras. Seu característico assédio em várias frentes assolou as defesas de concreto de Classic, gerando uma partida com ação desenfreada, viradas inesperadas e um final perfeito, digno de aparecer na contracapa de uma das nossas caixas de jogo.

Menção honrosa de 2018

Joona “Serral” Sotala x Kim “Stats” Dae-yeob

  • Grande Final da GSL Contra o Mundo 2018, 5ª partida (5 de agosto de 2018)

  • Jogada em 16 Bits

  • Comentada por Rotterdam e Tasteless

2019

Maru x Stats

  • Oitavas do GSL Super Tournament 2019 nº 1, 4ª partida (18 de abril de 2019)

  • Jogada em Ano Zero

  • Comentada por Artosis e Tasteless

Embora a estratégia mecânica com unidades da Fábrica fosse padrão no confronto terranos x protoss (TxP) em StarCraft: Brood War, ela nunca “pegou” em StarCraft II. Os críticos diziam que era impossível para um terrano mecânico combater as forças aéreas protoss nos estágios finais, conter avanços no meio da partida ou enfrentar expansões por todo o mapa. Em 2019, entretanto, alguns corajosos terranos fizeram a estratégia mecânica funcionar contra protoss nos palcos mais importantes do StarCraft II competitivo. 

No primeiro confronto do GSL Super Tournament 2019, Cho “Maru” Seong-ju surpreendeu o mundo iniciando com a estratégia mecânica como sua composição primária em uma série melhor de cinco. Graças à introdução do Ciclone em Legacy of the Void, a estratégia agora tinha uma opção móvel para serpentear pelo mapa. Com o Ciclone como sua unidade central, Maru conseguiu mostrar um estilo de jogo dinâmico que desafiou um impressionante adversário protoss, Kim “Stats” Dae-yeob. Na quarta partida da série, Stats se adaptou, fazendo a transição para jogadas finais bastante aéreas, centradas na Transportadora.

Com ambos os jogadores se reposicionando constantemente ao redor do mapa, alternando entre todas as composições de unidades disponíveis e acertando um golpe devastador atrás do outro, só uma coisa era certa: ninguém tinha ideia de quem iria vencer. Nem narradores, nem espectadores, nem os próprios jogadores. Após mais de 30 minutos de tensão, com o mapa quase todo minerado e os jogadores brigando para chegar a 100 de suprimentos, uma única unidade decidiria o jogo.

Essa série iniciou uma pequena revolução. A estratégia mecânica apareceu em um dos maiores palcos imagináveis e ainda é usada até hoje por jogadores terranos para deixar os adversários protoss na dúvida.

Menção honrosa de 2019

Joona “Serral” Sotala x Eo “soO” Yung-su

  • Quartas de final da IEM Katowice 2019, 3ª partida (2 de março de 2019)

  • Jogada em Ano Zero

  • Comentada por Rotterdam e Tod

A 2020 e avante!

Isso nos traz a 2020, o primeiro ano de um incrível circuito competitivo novo proporcionado pela ESL. Já tivemos algumas partidas sensacionais, mas achamos que seria meio prematuro considerar alguma delas a melhor do ano. Afinal de contas, mudança perpétua faz parte da natureza do StarCraft II competitivo. Os jogadores estão sempre evoluindo e nos surpreendendo com novas estratégias ousadas, sem falar nos penteados e rituais.

Agradecemos por passarem algum tempo revivendo a história do jogo conosco. Estamos ansiosos para dividir o futuro dele com vocês nos próximos anos!

Parte I: Wings of Liberty | Parte II: Heart of the Swarm | Parte III: Legacy of the Void

Próximo artigo

  1. Fique à frente do jogo no começo de novembro
    Por dentro da Blizzard
    2h

    Fique à frente do jogo no começo de novembro

    Ninguém gosta mais de bisbilhotar os segredos alheios do que Sombra, a hacker mais famosa de Overwatch. Nenhum firewall é forte o bastante. Nenhuma criptografia consegue detê-la. Se tiver algo a esconder, é melhor rezar para que ela não se interesse por você, porque o único jeito de vencer essa justiceira cibernética é abrir o bico antes dela. Então vamos abrir as cortinas e conferir a programação do nosso calendário de jogos.

Destaques